Data: 31/07/2021 17:08 / Autor: Redação / Fonte: Agência Brasil

Pinacoteca abre exposição sobre pintor modernista John Graz

A mostra fica aberta até 31 de janeiro do próximo ano


Crédito: Isabella Matheus / Pinacoteca de São Paulo

Começa hoje (31) na Pinacoteca de São Paulo uma mostra com 155 itens do artista suíço John Graz um dos mais importantes nomes do modernismo no Brasil. A exposição John Graz: idílio tropical e moderno, reflete a visão particular do artista sobre o Brasil, país onde viveu a partir de 1920. A exibição revisita a obra de Graz, com foco em sua atuação como artista visual e a dedicação de seus trabalhos à temática indígena, a fauna, flora, história e cultura popular brasileiras.

Segundo a curadoria de Fernanda Pitta, curadora sênior, e Thierry Freitas, assistente curatorial do museu, a seleção dos trabalhos inclui um conjunto de itens doados pelo Instituto Graz à Pinacoteca e empréstimos de outras instituições e coleções privadas. A programação ocorre no ano que antecede o centenário da Semana de Arte Moderna, que teve Graz como um dos participantes.

A organização das obras segue núcleos temáticos relacionados aos principais assuntos trabalhados pelo artista em sua produção: Arcádia; Temática Indígena; Natureza brasileira, História e cultura popular; indigenismo e abstração e design. Tudo pode ser visto no segundo andar da Estação Pinacoteca.

A curadoria destacou ainda a dedicação de Graz à criação de um imaginário moderno e tropical, a partir de suas pinturas, desenhos e estudos, refletindo também sobre a multiplicidade e versatilidade do artista. “Nessas obras aparecem representações de indígenas, imagens da natureza, festividades como o carnaval e festas gaúchas, trabalhadores brasileiros como os jangadeiros, além de narrativas históricas, como as que retratam a invasão portuguesa no Brasil”, disse a curadoria.

De acordo com a Fernanda Pitta, um dos maiores núcleos da mostra é composto pela temática indígena e ainda que não seja possível saber ao certo o que despertou esse interesse, é possível perceber uma concepção romantizada do tema. “Assim como uma forte relação com uma certa ideia de forma primitiva, sintética e quase abstrata, explorada por artistas das vanguardas, refletida no alongamento das figuras, nas extremidades ora pontiagudas, ora compactas, de seres humanos, animais e plantas".

A exposição exibe ainda mobiliários que demonstram o interesse do artista pela criação de um design moderno e brasileiro, além de estudos de arquitetura, decoração e fotos dos ambientes que o artista idealizou.

A exposição conta com um catálogo de 80 páginas com texto crítico dos curadores Fernanda Pitta e Thierry Freitas, um ensaio do professor e pesquisador Horacio Ramos e uma cronologia completa do artista elaborada por Daniel Ribeiro e Gabriela Gotoda. A publicação é bilíngue português-inglês e estará disponível na loja do museu.

A mostra fica aberta até 31 de janeiro de 2022.

Comente aqui