Data: 25/11/2020 13:11 / Autor: Luiz Humberto Monteiro Pereira / Fonte: AutoMotrix

Em tempos de pandemia Mercedes-Benz desenvolve novo chassis

A Mercedes-Benz apresenta o chassi de ônibus OF 1621 desenvolvido para fretamento, um raro segmento em alta em 2020


Mercedes-Benz apresenta o chassi de ônibus OF 1621, desenvolvido para fretamento
Mercedes-Benz apresenta o chassi de ônibus OF 1621, desenvolvido para fretamento

Crédito: Divulgação

Desde março, quando a pandemia do novo coronavírus chegou ao Brasil, as vendas de veículos despencaram. No setor de ônibus, o único segmento que apresentou elevação nas vendas foi o de fretamento. Para se adequar às medidas de segurança em relação à Covid-19, muitas empresas tiveram de aumentar o número de ônibus para reduzir a quantidade de pessoas por veículo e garantir o distanciamento entre os empregados. Além disso, alguns setores, como o de celulose – com a demanda elevada por embalagens decorrente do aumento das vendas online –, alcançaram crescimento durante a pandemia e precisaram de mais fretamentos para ampliar a produtividade. Para 2020, o segmento de fretamento deve responder por 11% de um total de 13.500 ônibus emplacados no mercado brasileiro, segundo expectativas da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). “Somos os responsáveis pela maior parte das vendas de ônibus para fretamento em 2020. Considerando o volume acumulado de janeiro a outubro, foram emplacados seiscentos e oitenta e oito ônibus Mercedes-Benz desse segmento neste ano, o que dá à marca 57% de ‘market share’”, comemora Walter Barbosa, diretor de Vendas e Marketing Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil. Para atender às crescentes demandas de ônibus para fretamento, a marca alemã acaba de apresentar novo modelo OF 1621.

Desenvolvido pela Mercedes-Benz em parceria com e empresa de transportes de passageiros paranaense Rimatur, o OF 1621 é um chassi do tipo “plug and play”, criado para diminuir retrabalhos, agilizando a montagem de carrocerias. Os balanços dianteiro e traseiro curtos resultam em maior ângulo de entrada e de saída. Na traseira, o balanço curto possibilita a instalação de bagageiro passante, permitindo também a acomodação do estepe. O modelo tem PBT (peso bruto total) de 16,5 toneladas e o motor OM 924 LA tem 208 cavalos, 79,5 kgfm de torque e atua acoplado a um câmbio G-85 de 6 marchas. Pode receber carrocerias de até 12,55 metros de comprimento, permitindo a montagem de até quarenta e oito assentos para passageiros mais DPM (Dispositivo de Poltrona Móvel), que oferece segurança e conforto de acessibilidade a cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida. “O grande diferencial é que o inédito OF 1621 foi concebido especificamente para ser o modelo de entrada do segmento de fretamento contínuo a partir de pedidos de clientes que nos solicitaram um ônibus com um custo mais atrativo, sem abrir mão do maior número possível de assentos, permitindo o transporte dos passageiros com distanciamento e segurança”, ressalta Barbosa.

Uma das soluções adotadas foram os balanços dianteiro e traseiro mais curtos e o entre-eixos de 5,95 metros. Com isso, foi possível acomodar os equipamentos como o tanque de combustível de 300 litros, o de Arla, baterias, sistema de pós-tratamento dos gases de escape e preparação para ar-condicionado de tal forma que não há necessidade de retrabalhos de corte das longarinas e do cardã para alongamento do chassi. Dessa maneira, o OF 1621 diminui os retrabalhos e já sai da fábrica pronto para receber a carroceria de forma rápida e fácil.

Parceira no desenvolvimento e primeiro cliente a adquirir o novo OF 1621, a Rimatur Transportes, de Curitiba, capital do Paraná, é considerada a maior empresa de fretamento da Região Sul. Sua principal atividade está ligada ao transporte de trabalhadores para empresas de call center e de polos industriais como São José dos Pinhais, Campo Largo e Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba. “Sugerimos aos parceiros da Mercedes-Benz e das encarroçadoras um ônibus que assegurasse maior capacidade de assentos. Além disso, o balanço dianteiro curto proporciona um melhor ângulo de entrada, facilitando a manobra nas cidades, especialmente no interior dos bairros. Isso nos ajuda a cumprir horários, o que é essencial no fretamento contínuo”, explica Emerson Imbronizio, diretor-comercial da Rimatur.

Comente aqui