Data: 02/09/2021 17:37 / Autor: Redação / Fonte: IICA

Ministros de Agricultura das Américas terão ação para combater Peste Suína Africana

A Peste Suína Africana é uma doença hemorrágica altamente contagiosa, que afeta porcos domésticos e silvestres e causa graves perdas econômicas e produtivas


Crédito: Reprodução

Os ministros de Agricultura das Américas se comprometeram a combater a Peste Suína Africana com iniciativas nacionais e hemisféricas e de forma coordenada. A doença foi detectada na República Dominicana e suscitou preocupações em toda a região devido ao seu potencial efeito sobre uma indústria de enorme relevância e pelo risco que representa para a segurança alimentar.

O compromisso foi firmado na Conferência de Ministros de Agricultura das Américas 2021/Junta Interamericana de Agricultura (JIA), na qual o ministro da Agricultura da República Dominicana, Limber Cruz, informou sobre a situação atual e ações em curso em seu país, que notificou oficialmente o aparecimento da doença em seu território em julho.

A peste suína africana não estava presente no continente há quase quarenta anos, desde que foi detectada pela última vez em Cuba em 1980, país que também detectou a doença em 1971. O Brasil e a República Dominicana registraram a doença em 1978 e o Haiti, em 1979.

A detecção na República Dominicana coloca o vizinho Haiti em risco particular, já que ambos compartilham a ilha caribenha de Hispaniola.

Durante as sessões da JIA - órgão máximo do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) - os ministros agradeceram aos governos da República Dominicana e do Haiti pelos esforços que estão envidando para o controle da doença e se comprometeram a realizar ações conjuntas com a colaboração de organizações internacionais ligadas à produção de alimentos e à saúde animal.

Os ministros afirmaram que a Peste Suína Africana “pode afetar a estabilidade da indústria suína no hemisfério, especialmente de médios e pequenos produtores e, portanto, o trabalho colaborativo entre os serviços veterinários oficiais e o setor privado é essencial”.

Além disso, solicitaram ao diretor-geral do IICA, Manuel Otero, que apoie o desenvolvimento e a execução de projetos e ações binacionais, e implementação de planos de trabalho definidos nos espaços sub regionais, com o objetivo de erradicar os surtos e prevenir e conter a propagação. do vírus, para que o Hemisfério recupere a condição de livre da Peste Suína Africana.

A peste suína africana é uma doença hemorrágica altamente contagiosa que atinge suínos domésticos e selvagens, causando graves perdas econômicas e produtivas. Atualmente não há vacina conhecida e a prevenção e o controle são fundamentais, pois são as únicas ferramentas disponíveis para combater a doença.

A doença não representa risco para a saúde humana, nem pelo contato direto com animais infectados, nem pelo consumo de qualquer produto de origem suína.

Participou da sessão da JIA, Monique Eloit, diretora-geral da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), entidade que coleta e analisa todas as informações científicas relacionadas ao combate a doenças animais e as transmite aos países para melhorar seu controle e métodos de erradicação.

“Estamos muito preocupados com a situação também no Haiti, onde o impacto dos desastres naturais aumentará muito o perigo de entrada da doença, pois há muitos movimentos de pessoas e mercadorias. É um processo que foge ao controle das autoridades ”, disse Eloit.

“As pessoas devem seguir algumas dicas simples de biossegurança para limitar o risco de espalhento. Devemos considerar também a coordenação com os serviços de alfândega e imigração para evitar a disseminação ”, acrescentou.

O Ministro da Agricultura da República Dominicana, Limber Cruz, explicou que desde o surgimento da peste no país, o tema foi considerado prioritário devido ao impacto sanitário, econômico e social da doença.

“Nosso governo assumiu com profunda responsabilidade o enfrentamento desta doença. No gabinete agrícola, presidido pelo presidente da República Luís Abinader, estamos implementando o plano de contingência e erradicação das ASF de forma abrangente, descentralizada e com ampla participação do setor privado”, informou Cruz.

Nadège Dorival, diretora de Cooperação Internacional do Ministério da Agricultura, Recursos Naturais e Desenvolvimento Rural do Haiti, agradeceu as manifestações de solidariedade pelo recente terremoto que afetou seu país e disse que a detecção da peste suína africana na República Dominicana representa uma ameaça para o Haiti.

“O Haiti está vulnerável à doença devido à conectividade dos dois territórios no plano geográfico, social e econômico. A peste continua a ser uma das doenças animais mais terríveis devido às suas altas taxas de morbidade e mortalidade e às restrições comerciais impostas aos países afetados”, disse.

O Haiti proibiu a importação de suínos vivos e derivados da República Dominicana e acionou uma comissão interministerial para prevenir a doença, com o apoio da Representação do IICA no Haiti.

O diretor-geral do IICA, Manuel Otero, informou que o Instituto reúne esforços para combater a doença, devido ao risco que representa para as fontes de trabalho e de divisas em uma indústria fundamental no contexto dos sistemas agroalimentares da região.

Participou também do encontro Júlio Berdegué, subdiretor-geral e representante regional da FAO, Agência de Alimentação e Agricultura das Nações Unidas, que destacou que a chegada da Peste Suína Africana à República Dominicana representa uma emergência sanitária para toda a região. “Apelamos a todos para que façamos um grande esforço para atuar de forma concertada e coordenada em apoio aos países e produtores afetados”, disse Berdegué.

Comente aqui