Data: 30/07/2021 20:28 / Autor: Redação / Fonte: Prefeitura de Diadema

Volta às aulas: Diadema cria canal de WhatsApp para tirar dúvidas da população

Rede Municipal inicia na próxima segunda-feira (2) retorno do ensino presencial de maneira gradual; inicialmente, a presença será de 25% de alunos por sala


Crédito: Divulgação

Um dos compromissos assumidos pela Prefeitura de Diadema logo no primeiro dia da atual gestão foi aproximar a população das ações do Executivo e manter as portas sempre abertas para o diálogo. Foi pensando nisso que a Secretaria de Educação acaba de lançar um canal de WhatsApp para tirar as dúvidas do diademense sobre a volta das aulas presenciais na Rede Municipal de Ensino, marcada para acontecer na próxima segunda-feira (2).

O retorno, definido a partir de decreto municipal a ser publicado neste sábado (31), acontecerá de maneira gradual: inicialmente, cada sala terá apenas 25% de alunos dos alunos das unidades de ensino fundamental. Na semana seguinte (16), será a vez das unidades de Educação Infantil e das creches conveniadas abrirem suas portas. A partir do dia 23, a regra valerá também para as creches diretas.

No canal de comunicação, os munícipes poderão saber todos os pontos definidos para que o retorno aconteça de maneira segura e de acordo com os protocolos sanitários estabelecidos para evitar o contágio do coronavírus, bem como dúvidas sobre o conteúdo pedagógico, entre outras informações. "Criamos mais esse canal com o objetivo de nos aproximarmos da população de maneira simples e direta. Depois de mais de um ano de escolas fechadas é normal que haja dúvidas e questionamentos e toda nossa equipe está aqui para responder com transparência e sinceridade. E o mais importante: com disposição para resolver todos os problemas que encontramos", afirma a secretária de Educação de Diadema, Ana Lúcia Sanches.

Vale lembrar que as famílias poderão decidir se enviam ou não seus filhos. Todos receberão o mesmo conteúdo, seja online ou presencial, e as avaliações serão organizadas de forma a assegurar os mesmos direitos de aprendizagem.

Comente aqui