Data: 20/07/2021 11:04 / Autor: Redação / Fonte: PMETRP

Caça ilegal de tatu é investigada em Ribeirão Pires

Departamento de Proteção da Fauna Silvestre recebeu informações de que armadilhas estão sendo colocadas para captura dos animais


Investigação sobre caça ilegal de tatu
Investigação sobre caça ilegal de tatu

Crédito: PMETRP

A Secretaria de Meio Ambiental, Habitação e Desenvolvimento Urbano de Ribeirão Pires investigou na última segunda-feira, dia 20, denúncia sobre caçadores de tatus que estariam colocando armadilhas em pontos da cidade para captura dos animais. Equipe do Departamento de Proteção da Fauna Silvestre e Bem Estar Animal vistoriou os locais e realizou buscas monitoradas para encontrar possíveis veículos utilizados pelos caçadores.

Caminhando pela mata, os agentes encontraram trilhas que mostravam sinais de uso e algumas tocas de tatus vazias, com indícios de limpeza humana - o que pode indicar que as armadilhas estavam montadas nestes pontos. Nenhum caçador foi flagrado, mas as investigações irão continuar.

Há cerca de dez dias, o Departamento de Proteção da Fauna Silvestre recebeu denúncias também de caça ilegal, desta vez de capivaras. “Ribeirão Pires é uma cidade inserida em área de mananciais, apresentando uma demanda elevada de animais silvestres das mais diferentes espécies típicas da Mata Atlântica. É imprescindível que a gente zele e preserve a vida destes animais, com equipe especializada e empenhada em cumprir o papel de fiscalização, proteção e reabilitação”, declarou a secretária de Meio Ambiente, Habitação e Desenvolvimento Urbano, Andreza Araújo.

Em caso de denúncias, são disponibilizados dois telefones para contato: 4824-4197 ou 97211-1112 (whatsapp). É necessário se identificar no ato da denúncia, para preenchimento de cadastro, mas a Equipe de Proteção Animal explica que os dados do denunciante não são divulgados.

Comente aqui