Data: 22/07/2021 09:29 / Autor: Redação / Fonte: Assessoria

Matheus Gianello pretende regulamentar o “Home Office” para servidores em São Caetano

Na administração pública, o teletrabalho mostrou-se vantajoso no que diz respeito a economia de gastos


Vereador Matheus Gianello pretende regulamentar o “Home Office” para Servidores Públicos em São Caetano do Sul
Vereador Matheus Gianello pretende regulamentar o “Home Office” para Servidores Públicos em São Caetano do Sul

Crédito: Arquivo Pessoal

O home office, denominação mais popular para o teletrabalho, apesar de previsto na legislação brasileira desde 2011, somente no ano passado, por força da pandemia da Covid-19, ganhou mais destaque e maior atenção das pessoas e do mundo corporativo.

O contexto da pandemia e a migração compulsória para o home office mudou de vez a forma de trabalho, levantando questionamentos e novas possibilidades. Das pessoas que passaram a trabalhar em regime de home office durante o ano de 2020, 55% jamais havia trabalhado de forma remota, segundo estudo publicado pela FEA-USP.

Porém, com o passar dos meses e com a consequente adaptação a nova forma de  trabalho remoto, este mesmo estudo revelou que 70% gostaria de permanecer trabalhando em casa, contra 19% que reprovam a modalidade. 

Diante deste cenário, o Vereador sulcaetanense Matheus Gianello propôs a regulamentação desta modalidade de trabalho ao serviço público de São Caetano “O home office chegou para ficar. Os estudos nos mostram que são inúmeras as vantagens: as condições de trabalho no ambiente doméstico são mais seguras e saudáveis, garante maior satisfação profissional, ganho de produtividade, o controle do horário, o tempo reduzido de deslocamento para o local de trabalho, a redução de custos com transporte, alimentação e energia e, principalmente, a qualidade de vida do teletrabalhador”, explica o parlamentar.

Na administração pública, o teletrabalho mostrou-se vantajoso no que diz respeito a economia de gastos. A estimativa do Tesouro Nacional é que o Governo Federal tenha economizado, aproximadamente, 3 bilhões de reais em 2020 com o home office para aproximadamente 360 mil servidores públicos federais. A redução de gastos deveu-se a considerável diminuição de gastos com infraestrutura, deslocamentos, custos de água, energia elétrica, gás, telefonia e serviços em geral.

É um modelo que foi testado em diversas esferas do poder público e que trouxe resultados muito animadores. Nossa cidade se colocaria em lugar de destaque pela evolução do funcionalismo público e terá instrumentos para estipular uma rotina mais benéfica ao seu colaborador. Além de evitar processos que podem lesar o erário por falta de regulamentação”, finaliza o parlamentar.

Comente aqui